Yamaha volta ao segmento touring com a Venture 2018

A Yamaha abandonou o segmento touring anos atrás ao deixar de produzir a Royal Star Venture, vendida apenas no exterior. Agora retorna a esse importante mercado nos Estados Unidos anunciando as vendas da nova Venture a partir de 2018. O modelo concorrerá principalmente com a tradicional Harley-Davidson Ultra Limited e a Indian Roadmaster, ambas touring clássicas com motores V2 e base derivada de modelos custom/cruiser (Honda Gold Wing e BMW K1600GT concorrem na mesma categoria, porém com concepções de chassi e motor mais “tecnológicas”).

A mecânica não é nova, um V2 refrigerado a ar de 1.854cc (113 pol.³) com 4 válvulas e duas velas de ignição por cilindro acoplado à transmissão por correia, conjunto que equipa as custom topo de linha da marca há uma década. As especificações de performance ainda não foram informadas, somente o torque máximo de 17,4 kgf.m. As novidades estão no reservatório de óleo integrado ao chassi e radiador para ajudar na refrigeração, embreagem assistida deslizante para evitar travamento de roda nas reduções de marcha e acelerador eletrônico que permitiu a instalação de controle de tração e do D-Mode já conhecido em outros modelos da marca, que atenua ou acentua as respostas ao comando do acelerador – espécie de modo de condução/entrega de potência simplificado, que não atua sobre o mapa de injeção.

O pacote de itens de conforto e conveniência segue o que a concorrência oferece de mais atual, como infotainment com tela sensível ao toque de 7 polegadas, controle de voz, conexões Bluetooth e USB, além de profusão de dados sobre o funcionamento da moto; partida sem chave por sensor de presença; abertura elétrica de malas; cruise control; assistência a manobras por motor elétrico auxiliar (movimentos para frente e trás); e ajuste remoto de pré-carga da mola traseira. As principais inovações em equipamentos estão nos freios ABS de acionamento combinado cuja proporção de força dianteira/traseira é ajustada em tempo real e no sistema de áudio “dual zone” opcional, que permitirá o passageiro acessar uma fonte de áudio ou atender à chamada separadamente.  

Esteticamente o modelo se diferencia da concorrência pelo conjunto de iluminação de clara inspiração automobilística, com um quê de muscle car e design americano dos anos 1960/1970. A dianteira com quatro faróis de LEDs e divisão central na carenagem lembra o Pontiac Firebird de primeira geração (1967-1969), enquanto a traseira com lanternas vermelhas em toda a extensão transversal remete às linhas de diversos modelos da década seguinte. Para entrar em um mercado tão tradicionalista e restrito a marcas locais a Yamaha oferecerá cinco anos de garantia e preços que partem de valores 8% menores que os da Harley-Davidson Ultra Limited e 14% abaixo da mais cara Indian Roadmaster.         

APLICATIVO



INSTAGRAM