Nova KTM 790 tem 2 cilindros paralelos e eletrônica completa

10/11/2017 14:32

Após mostrar um protótipo no Salão de Milão 2016, neste ano os austríacos apresentaram a 790 Duke em versão final para reforçar a posição da marca no segmento de nakeds de 800cc. Até agora a KTM tinha a 690 de 1 cilindro e uma grande lacuna até a 1290 Super Duke.

Além desta nova 790 representar a entrada da marca em um segmento muito disputado, é interessante que tenha o primeiro motor de 2 cilindros paralelos da KTM – a configuração em V era a única utilizada. Rende 105 cv a 9.500 rpm e 8,8 kgf.m a 8.000 rpm para 169 kg (peso seco), perdendo apenas para a Triumph Street Triple 765 de 166 kg. A KTM, no entanto, afirma que seu conjunto de motor e chassi é o mais compacto da categoria, o que pode favorecê-la na distribuição de peso e consequentemente na agilidade.

As suspensões WP – empresa do grupo austríaco – têm garfo invertido de 43 mm e amortecedor com mola progressiva, ajustável apenas na pré-carga. Os freios são de 300 mm com pinças de quatro pistões na frente e o cornering ABS pode ser desligado e tem modo Supermoto, que permite o travamento da traseira. A eletrônica é um ponto alto da 790, com quatro modos de pilotagem que atuam sobre controles de tração, freio-motor e largada, além do quickshifter ser bidirecional.

No EICMA a KTM exibiu também o protótipo de uma 790 Adventure. No Brasil, segundo Duas Rodas apurou, a venda da 790 seria improvável no modelo de operação atual, em que apenas as Duke de baixa cilindrada são montadas em Manaus (AM) e a 1290 Super Duke importada tem preço pouco competitivo, acima de R$ 90 mil. Para concorrer neste segmento de nakeds de 800cc por preço médio de R$ 40 mil a KTM teria de realizar a montagem local, que não está nos planos para modelos de alta cilindrada.

APLICATIVO



INSTAGRAM