Quatro Rodas

Primeiras impressões: pilotamos a MV Agusta Brutale 800 Dragster

Duas Rodas esteve no lançamento mundial e andou na nova motocicleta da marca italiana

07/02/2014 10:00

Nesta semana, a MV Agusta reuniu jornalistas do mundo todo na Europa para apresentar a nova Brutale 800 Dragster, anunciada no mês passado. Duas Rodas estava lá e traz as primeiras impressões do modelo.

A Dragster tem uma série de detalhes que a diferenciam da Brutale 800 convencional, mas o que mais influencia a pilotagem é o guidão mais curto, que pode ser ajustado em três posições, além do pneu traseiro 200 no lugar do 180, semelhante ao da Brutale 1090RR ABS. Por conta disso a Dragster fica mais estável para fortes acelerações em linha reta, como seu nome sugere, enquanto a direção um pouco mais pesada que a da Brutale 800 convencional resiste mais à inclinação. A suspensão dianteira ajustável em compressão e retorno é outra mudança, já que na Brutale não há possibilidades de ajustes.

Em 1ª e 2ª marcha, os 125 cv do motor de 3 cilindros são suficientes para empinar. O propulsor é tão equilibrado entre torque e potência que dificilmente se sentirá falta de uma cilindrada maior ou de um ronco mais animador que seu tom grave. Como na Brutale, a Dragster é equipada com controle de tração em oito níveis e quatro mapas de entrega de potência, no qual três são pré-definidos e um personalizável.

Nas retomadas em médias rotações o motor chega a ser um pouco brusco, porém nada assustador como na potente Brutale 1090. Rodando a 120 km/h o motor trabalha a 6.500 rpm e nem é preciso reduzir marchas em busca de mais performance para ultrapassagens. Para subir marcha o quick-shift dispensa o uso da embreagem. O sistema ABS está disponível nos modos Normal e Race, que intervém menos na pilotagem esportiva, e o acionamento dos freios é progressivo sem ser borrachudo.

Visualmente há muitas diferenças importantes entre a Brutale e a versão Dragster. O painel possui uma nova máscara bipartida com a cor da moto e o para-lama dianteiro é menor, com acabamento de alumínio nas laterais. Ela recebe protetor de cárter de alumínio, retrovisores nas extremidades do guidão, piscas nas laterais do suporte da placa e lanterna dupla sob a rabeta. O banco é ainda mais afilado na dianteira e tem o comprimento reduzido para piloto e garupa.

Oferecida em duas cores – branca e cinza metálica – e com freios ABS de série, o preço da Brutale 800 Dragster na Europa é 13.490 euros. A título de comparação, a Brutale 800 custa 11.680. Com os lançamentos de Brutale 800, F3 e Rivale confirmados no Brasil ainda neste primeiro semestre, a Dragster só estaria à venda no fim do ano ou já como modelo 2015.

Nas bancas: 16 líderes de vendas enfrentam as grandes rivais 

MV Agusta amplia família 800 com a nova Brutale Dragster

Testando Limites: a nova MV Agusta Brutale 1090 RR ABS

APLICATIVO



INSTAGRAM