Quatro Rodas

Análise: Fausto Macieira faz balanço da segunda etapa do Mundial de Motovelocidade

O motociclismo esportivo tem muito de físico, mas é a cabeça que comanda o corpo. E as três corridas realizadas no Texas, segunda das 18 etapas em 2015, ratificou esse fato

13/04/2015 18:22

A semana foi confusa, com idas e vindas na escolha do substituto temporário de Dani Pedrosa na Honda, ainda ressabiada com a derrota homérica no Catar. Depois do chocante anúncio da retirada temporária do próprio Pedrosa – para se curar de uma síndrome compartimental, popular “arm pump”, inchaço no antebraço que prejudica a pilotagem –, mais surpresas, com o campeão aposentado Casey Stoner se oferecendo para correr no lugar dele e, acreditem, a Honda recusando a oferta.

Ao que tudo indica, os executivos da marca da asa fecharam questão na prioridade do apoio a Márquez, e a presença de Stoner poderia desconcentrar o jovem bicampeão da MotoGP. Os japoneses preferiram escalar Hiroshi Aoyama, campeão nas 250 em 2009 e rebaixado para piloto de testes depois de cinco anos de MotoGP e zero pódios conquistados. Sem desmerecer em nada o nipônico, o australiano temperamental é incomparavelmente mais veloz. Mas não é cordeiro, e a Honda raramente coloca dois lobos na mesma toca, ops box.

As atividades começaram na quinta-feira com a coletiva de imprensa, na qual Nicky Hayden foi celebrado por completar 200 Grandes Prêmios. Ele só venceu três, mas não importa, foi campeão do mundo e entrou para a história do esporte.

Na sexta, um vira-lata entrou pista e determinou a interrupção do treino. Parecia urubu no campo em jogo daquele time rubro-negro carioca que tem o bicho como talismã. Ninguém conseguia pegar o cachorro, que deu olé em fiscais, motos e pilotos. Quando a festa acabou e a pista secou, Marc Márquez se impôs sobre as Ducati e Yamaha da concorrência, enquanto Aoyama, como se esperava, mergulhou nas profundezas da classificação com a moto de Dani Pedrosa.

Atitude de campeão

Sábado seco, mas carregado de nuvens. O TL3 é eletrizante e no final aponta Márquez, a Honda satélite de Cal Crutchlow, as Yamaha de Jorge Lorenzo, Valentino Rossi, Bradley Smith e Pol Espargaró, a Suzuki do irmão Aleix Espargaró, a Ducati de Andrea Dovizioso, a Honda satélite de Scott Redding e a Ducati satélite de Danilo Petrucci. 

Andrea Iannone está na repescagem, coitado, assim como Maverick Viñales, vencedor da prova da Moto2 ano passado, e Aoyama, apenas 18º nos tempos combinados. Iannone e Viñales são os promovidos ao Q2, que decide as quatro primeiras filas do grid. 

Aí se deu a magia. Márquez dominava o treino, quando, nos cinco cruciais minutos finais, o painel da Honda 93 acendeu uma luz vermelha, que na linguagem eletrônica indica perigo extremo, ou seja, a moto deve ser desligada o quanto antes. Como MM93 tinha acabado de entrar na reta de largada e iria abrir sua volta rápida, ele simplesmente encostou a moto no muro do pit lane, pulou o muro, disparou de pedestre até a sua garagem e pegou a moto reserva.

Enquanto o bicampeão circulava pela pista para abrir sua volta rápida, Crutchlow quebrou o recorde da pista (que era de Márquez) e foi para a pole, mas foi superado por Lorenzo e depois por Dovizioso, todos abaixo da marca anterior de Márquez. Depois da volta de saída, o piloto da Honda passou na linha de chegada meros 3s antes do final do treino e abriu uma volta tão maluca quanto vertiginosa. Com a moto desacertada, ele veio com tudo, pegou a zebra várias vezes, botou de lado nas frenagens, com a roda traseira suspensa e precariamente no controle, baixou três décimos mais, recuperando a pole com o tempo de 2min2s135, melhorando em 0s6 o próprio recorde de 2min2s773 do ano passado.

A concorrência não acreditou no que aconteceu e, na minha opinião, Márquez ganhou a corrida ali. No dia seguinte ele largou bem, mas perdeu a ponta para Dovizioso na curva um. Depois de estudar as linhas da Ducati, MM93 atacou, tomou a ponta e correu isolado para a vitória, lembrando os dias inspirados de Dani Pedrosa. O melhor da corrida foi a disputa pelo pódio, com as Yamaha e as Ducati envolvidas em uma batalha que só terminou no final da prova, com Dovizioso levando vantagem sobre Rossi e Lorenzo rebaixando Iannone para ser quarto. Smith colocou mais uma Yamaha em sexto, e a seguir chegaram a Honda de Crutchlow, as Suzuki de Aleix Espargaró e Maverick Viñales e a Ducati de Petrucci em décimo, à frente de Aoyama.

Com esse resultado, Rossi segue na frente no campeonato com 41 pontos, unzinho a mais do que Dovizioso, com Márquez surgindo em terceiro com 36.

Moto2

Na Moto2, o “Coração Valente” Sam Lowes enfim conseguiu cruzar a linha de chegada e em primeiro lugar, um prêmio à sua bravura depois de um tombaço incrível na sexta feira – e outro no sábado. Falando em tombos, o que dizer do contato imediato entre o francês Johann Zarco, da Ajo, e o belga Xavier Simeon, da Gresini, que havia largado na pole-position? Incidente de corrida, foi o que pensou o diretor de prova (e eu), já que punição não veio, apesar das juras de vingança de parte a parte.

Com a trombada e o abandono de Simeon, Alex Rins foi ao pódio com a terceira colocação, assumindo a liderança do campeonato logo na sua segunda corrida na classe intermediária, com 29 pontos, um a mais do que Zarco, o segundo, com Jonas Folger, e Sam Lowes empatados em terceiro com 25 pontos cada. O ítalo-brasileiro Franco Morbidelli vem a seguir, com 22 pontos.

Moto3

Na classe menor, depois de um sufoco com um problema no câmbio que o deixou fora do treino de aquecimento, o inglês Danny Kent largou da pole, recuou para quinto, viu que a moto finalmente funcionava bem, e assumiu a liderança no início da quarta volta para disparar na ponta e administrar até a bandeirada. Kent deixou para trás uma batalha furiosa pela segunda colocação, que só foi definida na última curva da última volta, quando o francês Alexis Masbou, vencedor no Catar, foi ao chão e a posição ficou com o compatriota dele, o fenômeno Fabio Quartararo, de 15 anos, que não conhecia a pista e justificou a fama de ser o “novo Maverick Viñales”, enquanto este está sendo promovido a ser o “novo Marc Márquez”. O veterano Efren Vazquez, de 28 anos, companheiro de equipe de Kent, fechou o pódio.

O britânico lidera o mundial com 41 pontos contra 33 de Enea Bastianini. Quartaro e Vazquez dividem o terceiro lugar, com 29 pontos cada. Masbou, coitado, que tinha tudo para sair líder da corrida, empurrou sua moto estraçalhada até a linha de chegada, mas chegou em 16º, não pontuou e vem em quinto, com 25 pontos.

Em suma, os serenos se deram bem nas classes de acesso, com o furacão Márquez seguindo em sua trajetória implacável nos Estados Unidos, oito vitórias seguidas desde 2011, em três pistas diferentes, Laguna Seca, Indianápolis e Austin.

E essa de 2015 ele ganhou de véspera...

MV Agusta monta subsidiária e assume operação brasileira

Nas bancas: Yamaha MT-07 enfrenta na pista cinco concorrentes

Vídeo: Yamaha MT-07 enfrenta outras cinco nakeds

Marc Márquez reencontra caminho da vitória nos EUA

Ranking de Vendas: Honda CB 500F retoma liderança entre as nakeds

 

APLICATIVO



INSTAGRAM